23 de mar de 2007

O Fio da [entre]meada


detalhe da obra O Fio da [entre]meada
Fotos da amiga/fotógrafa Marluce Corrêa Fiss

Eu, o tempo e a solitude
sou só além do q consigo ver...
sou pó q voa com o vento, sou cinza q paira ao relento...
sou matéria, sou etérea, sou...
sinto um abismo em mim, claustrofobia do próprio corpo, alma presa na carne, carne q devora a vontade, vontade q se esvai como pó...pó q voa no deserto, q (re)faz o q sou e perfaz meu caminho...
eu, reclusa na cristalina ampulheta de meus pensamentos...
(escrevi este poeminha no blog do amigo Igor - Escritas de mim.)http://escritasdemim.blogspot.com/2007/10/sobre-o-trocar-passos-com-solido.html

O Fio da [entre]meada


Trabalho mais recente,
desdobramento da técnica!

Versão do TCC


intervenção urbana na fachada do casarão onde tenho meu ateliê...despertou curiosidade dos transeuntes durante o período da banca!

MOSTRA ARTE NO PORTO (dez 2006)

link da exposição www.ufpel.tche.br/iad/artenoporto/



Obra vista de perto...

MOSTRA ARTE NO PORTO (dez 2006)


Vista geral do espaço!

MOSTRA ARTE NO PORTO (dez 20006)


Experiência ímpar, reapresentei obra do TCC, agora em local fechado, um armazém enorme!
Dia especial: doação da obra premiada pela RBS ao MALG. Presença do reitor da UFPel, diretora do MALG, eu e representantes
do Banrisul e RBS tv Pelotas.
(dezembro 2006)


essa é a imagem que aparece ao fundo...linda, mesmo inacabada!

Exposição Mello da Costa


Turma da pós-patrimônio na vernissage que aconteceu na Secult em setembro de 2006. Curadoria minha!
Texto exposição Mello da Costa

Mello da Costa – Carlos - como era chamado pelos amigos e pela família fora – sem sombra de dúvida – um artista ímpar na história da cidade de Pelotas.
As qualidades artísticas de Mello da Costa têm raízes em sua infância, tendo ele iniciado na arte precocemente: quando percebeu uma parede de sua casa recém pintada, aos aproximadamente 3 anos de idade e não teve dúvida, pegou um batom de sua mãe e desenhou um grande e vermelho galo, para surpresa de todos. Noutra ocasião, ainda nesta faixa de idade, apanhou novamente o “instrumento” e desenhou no espelho do quarto de seus pais uma pomba. E assim o pintor foi aflorando seu talento que só fez durante sua história crescer e amadurecer.
A primazia de suas obras transmite algo singular, encanta pela suavidade da pincelada e pela vivacidade de suas cores.
Minucioso, perfeccionista, exigente de seu trabalho, sempre buscava ser e fazer melhor. A cada novo trabalho (de uma vasta produção) uma nova obra de beleza única.
Aqueles que tiveram a oportunidade de conhecer e conviver com o artista sabem de sua personalidade forte, e são unânimes em afirmar sobre a fibra e o caráter deste homem de poucas palavras e muita arte.
Esta exposição - um compêndio que almeja apresentar um resumo da vida do artista, vislumbrando um pouco de sua história pela sua arte - apresenta pinturas de naturezas-mortas e nus, duas modalidades que ajudam a sintetizar sua marcante trajetória.

Letícia Costa Gomes – Artista Visual, pesquisadora, bacharel em Gravura (IAD/UFPel), acadêmica do curso de Licenciatura em Artes visuais (IAD/UFPel), pós-graduanda em Artes, especialização em Patrimônio Cultural (IAD/UFPel).

exposição no Gasômetro/PoA

Trabalho selecionado por edital da
Secretaria de Cultura de
Porto Alegre/RS, ganhou nova
roupagem no 4º andar da usina!
(novembro/2006)

viva a arte!



Eu na etapa final em PoA, no Margs.

A obra ganhou a reginal Pelotas do Salão, grande conquista! Grande incentivo para seguir fazendo arte!

SJA etapa MALG


Helena Kanaan, Letícia Costa Gomes e Cynthia Yurgel na vernissage no MALG (junho/2006)
Nesta etapa houve a seleção dos trabalhos q iriam para a final no MARGS em PoA.